Monthly Archives: junho 2015

Homens, por que vocês não vão tomar no cu?

Scan_Pic0008(1)

Alerta! Alerta! Aproximação não autorizada!

 Há um tempo atrás houve uma campanha na internet contra o abuso sexual no metrô. Essa campanha, além do “não mereço ser abusada” –  como se alguém merecesse – teve ampla repercussão na foto mais viralizada do rolê: a idealizadora da campanha mostrando o dedo do meio.
A imagem tinha seu que de POLÊMICA porque mostrava uma mulher empoderada (do jeito dela) numa pose agressiva.
Apesar da descrição boa, essa imagem sempre me incomodou.

 

campanha-não-mereço-ser-estuprada-faz-sucesso-na-internet

hashtag ninguém merece

Caso alguém não saiba, o dedo do meio em riste significa vai tomar no cu.

– Mas gente, tem mais e que mandar essxs machista de bosta tomar no cu mesmo.

 

Num primeiro momento, eu diria que não. Tomar no cu tem muito mais chances de ser prazeroso do que tomar da policia, ou tomar o litrão de Santo Mé, e não da pra desejar que quem a gente não gosta tenha prazer, mal ae. Do mesmo jeito, qual o problema de tomar no cu? Afora o esforço que se tem que fazer (dói, sangra, assusta…[1]), dar o cu pode muito ser maior legal. Inclusive e principalmente pra homens.

Poderíamos recorrer à pornografia, nossa enciclopédia sexual [favorita] pra mostrar isso, no entanto, em especial na mainstream e essa merda toda, o que ali se encontra não é muito ilustrativo tampouco interessante. Pra começar, em uma indústria que usa a [exploração do corpo da] mulher como prato principal, o corpo do homem é parte do moedor, não da carne. Enquanto existem filmes que literalmente filmam até dentro da vagina (internal creampie), o corpo masculino nunca é explorado (duplo sentido aqui). Mesmo que uma mulher também vá procurar pornografia como “educação sexual” não vai ser pinto que ela vai achar ali. São horas e horas de uma vagina sendo virada do avesso, enquanto o pênis aparece vez-em-quando quando passa de um buraco pra outro.

Apesar da cultura falocêntrica da penetração – mesmo em filmes ditos lésbicos existe o fetiche (marxisticamente falando) da penetração – o pênis não eh “adorado” e revirado como a vagina e o cu das mulheres. Apesar de homem também ter cu, nos filmes pornôs eles são como a barbie, lisinhos, lisinhos.

tumblr_n3vjg90XbP1trn4lko1_500

Garota, você já lambeu seu boy?

 

Dos filmes pornôs com os quais você já teve contato na vida, quantos tinham uma moçoila enfiando o dedo no rabo de algum rapaz? Apesar dos filmes não heteronormativos aumentarem a gama de possibilidades de exploração do corpo independente da orientação sexual, o cu ainda é tabu pesado nas relações heteras – e mesmo nas homos – e enquanto as minas são pressionadas para fazê-lo, os caras estendem uma faixa amarela de distância e perigo ao redor de seus próprios cus. Até existe ai um pequeno grupo de homens que admite uma dedadinha, ok, BOM PRA ELES. Do mesmo jeito, também podia ser bom pra eles receberem um cunete (e é, já vi) ou mesmo serem comidos. O cu deles da mais prazer pra eles que o nosso pra noiz, biologicamente falando, já que eles tem a próstata e o períneo. Por outro lado, já que sempre a interdição vem juntinha da evidência do discurso, as mulheres são orientadas todo o tempo pela revista Claudia a dar o cu como presente de casamento ou quando o marido estiver chateado, ou mesmo ‘guardar’ para “apimentar a relação”.

[Alias, dos textos que já vi na internet, esse que vos fala preza por ser um com uma quantidade considerável de cus, já que geralmente por ai se tem apenas b u m b u n s. =P]

O quinto termo mais buscado na pornografia em toda a internet (e olha que isso é realmente muita coisa)[2] é sexo anal. No caso dos héteros, sempre na mulher, claro. Nessa construção do fetiche (no sentido parafilíaco da coisa) pelos homens e o cu, mulheres são forçadas a ter relações anais sem consentimento de forma contumaz. A coisa vai ficando ainda mais feia se seguimos a esteira da educação pornográfica: outro termo do top 5 em buscas pornôs é o hardcore, que enfia e tira todo tipo de coisa das mulheres.

E hardcore aqui gente, é realmente HARDCORE.(a gente ainda vai falar sobre isso)

A naturalização da cultura do estupro pela pornografia naturaliza também a violência no sexo. Assim como os homens por algum motivo acham que é ok empurrar a cabeça de alguém pro seu pau, forçaar uma mulher a ter sexo anal pode parecer simplesmente parte do programa. Normal, no filme elas sempre choram e gritam, não é? Além disso, existem dois tipos de mulheres nos filmes pornôs: as loucas por sexo que sempre se jogam pra cima dos paus soltos ai na vida e as que só fingem que não querem se jogar nos paus da vida. Vide vocabulário: todas são safadas putinhas prontas para serem arrombadas.

Doutro lado, as mulheres que não se aproximem de cus masculinos! E por que? Por que homens podem tranquilamente fetichizar loucamente querer ~comer meu cu~ e eu não posso querer comer o deles?

O tabu com o sexo anal é só mais uma extensão da perversão que o sexo demonstra da sociedade doente em geral: sexo anal tem sido sinal de submissão. . Dar o cu é se colocar em posição de submissão e vulnerabilidade, por isso a quantidade de estupros durante o sexo anal. (Não se engane, TODO sexo sem consentimento é estupro). E que homem vai ser submisso a uma mulher? Mesmo em casais gays, sempre tem a pergunta babaquara: mas quem é ativo, quem é passivo? Mesmo entre gays, muitas vezes ser afeminado é motivo de exclusão e desprezo. Quem quer [ser] alguém femininx ou feminilizadx? Ser mulher é quase doença, deusmelivre, credo

O sexo pornográfico, e tomara que estejamos erradas sobre a reprodução dele na vida real (ou não =/ [3]), reproduzem uma lógica de prazer masculino baseado na submissão e humilhação dx parceirx, o que se associa a virilidade (!). Claro que nosso espaço amostral principal aqui é a pornografia mainstream HT, mas se dermos uma passeada superficial na pornografia mainstream Homo, na pornografia ~mainstream~ dita feminista ou mesmo na pornografia mainstream dita alternativa vamos ver que existe apenas a reprodução da mesma lógica misógina e patriarcal.

Quando foi que sexo virou sinônimo de violência e humilhação?

As consequências, claro está, são muito piores para mulheres, que chegam a sofrer agressões físicas pesadas durante o sexo ou mesmo ser estupradas (e eu aqui achando que só não gozar já é problema o suficiente…) mas muitos homens, na ânsia de fazer sexo teatral e se afirmar como macho alfa COMEDOR (veje), deixam de curtir um momento de intimidade [que, deixem de ser babacas, não significa amor] e tesão.

Pra começar, mulheres que se atrevem a ser mais ativas na relação se tornam, seguindo essa linha de raciocínio que associa sexo a violência e humilhação, agressivas. E mulheres não são nem podem ser agressivas. Mulheres são fofas. Mulheres não soltam pum. Mulheres não gostam de pinto nem de corpo, elas gostam de romance e amorzinho. Mulheres não comem ninguém, ficam ali paradinhas esperando ou sendo comidas.

Mulheres não são individuas da própria sexualidade e do próprio prazer.

Até agora

 

 

[1] https://www.youtube.com/watch?v=aH7IFxmjlYU

[2] http://datalooksdope.com/wp-content/uploads/2014/11/tags_6800.jpg?w=1040

[3] http://www.dailymail.co.uk/news/article-3106807/Teenage-girls-subjected-shocking-injuries-rough-sex-boyfriends-influenced-violent-porn.html

Bonus track: http://dickychicks.tumblr.com/